Tela de Vera Sabino que compõe  o painel inspirado nas paisagens da Costa da Lagoa e no cotidiano do povo ilhéu

 


Coordenadora: Miriam Adelman
miriamad@coruja.humanas.ufpr.br

Serviço doméstico: paternalismo, clientelismo e cidadania
Jurema Gorski Brites
jubrites@zaz.com.br

Estudos sobre gênero e trabalho têm apontado o serviço doméstico (trabalho doméstico remunerado) como uma ocupação arcaica, alicerçada sobre relações patri/maternalistas que remetem à subjugação feminina. Contrastando com esta perspectiva acadêmica as empregadas domésticas entrevistados nesta pesquisa encontravam positividade nesta ocupação justamente pelas suas características não contratuais. Como interpretar essa falta de paralelismo entre feministas intelectuais e as mulheres que participaram da pesquisa sem relegar estas últimas a uma dimensão de inconsciência ou desprestigiar as ações que atores sociais enfrentam nestas situações? Este paper faz uma leitura da literatura sobre serviço doméstico contrastando com os dados empíricos recolhidos em pesquisa anterior, procurando jogar luz sobre a dimensão política da vivência das trabalhadoras domésticas investigadas.

Construção do Gênero no Garimpo
Bernardete Grossi dos Santos
bgrossi@bol.com.br

O texto apresentado é parte de minha dissertação de mestrado em andamento, que investiga a construção do gênero na comunidade garimpeira de Datas (MG). Busco através da análise da divisão sexual do trabalho nesta comunidade, refletir como a especificidade do trabalho garimpeiro e do imponderável da sorte influenciam na organização e valoração dos trabalhos executados por homens e mulheres.

Restruturação Produtiva e Gênero
Antônia Egídia de Souza
carreiraoortiga@bol.com.br

O estudo lança um olhar sobre a reestruturação produtiva e o trabalho feminino no setor metalmecânico de Santa Catarina. A pesquisa constata que o impacto das inovações tecnológicas e organizacionais sobre o trabalho feminino é pouco significativo. As mulheres encontram-se relegadas aos postos mais simples e de menor qualificação. Somente são aproveitadas nas habilidades de destreza manual, atenção aos detalhes e paciência na realização de atividades repetitivas. As trabalhadoras apresentam escolaridade superior ao pré-requisito mínimo de admissão (1º grau completo) e algumas delas cursam o 3º grau. Contudo, as oportunidades internas continuam a ser, em geral, restritas se comparadas com a capacitação e a qualificação de colegas do sexo masculino. Constata-se, também, a concentração das mulheres em determinados setores de trabalho, de um lado, limitadas a um conjunto reduzido de ocupações, segmentação horizontal; e de outro, localizadas em postos de menor hierarquia no interior de cada ocupação, segmentação vertical

.

Mulher e trabalho no contexto da migração sazonal dos pescadores de Jaguaruna - SC
Márcia Regina Calderipe Farias
marcia@cfh.ufsc.br


Na pesquisa etnográfica entre um grupo de pescadores do litoral de SC, comunidade do Camacho, constata-se a existência de migrações sazonais para o Estado do RS, prática que acontece desde a década de 60. A partir da revisão da literatura sobre o assunto observa-se que esses deslocamentos eram realizados pelos homens e as mulheres permaneciam na comunidade, assumindo as atividades referentes à família. Na localidade do Camacho as mulheres acompanham os homens e permanecem em acampamentos onde realizam as atividades domésticas e pequenas pescarias enquanto os homens estão trabalhando. Este fato leva-nos a pensar numa nova forma de convivência e organização e se coloca como um tema oportuno para reflexão sobre as transformações no modo como localmente essas famílias têm buscado alternativas de sobrevivência
.



Esta página foi desenvolvida por Rita Maria Xavier Machado e Anacris de Oliveira