Tela de Vera Sabino que compõe  o painel inspirado nas paisagens da Costa da Lagoa e no cotidiano do povo ilhéu

 


Coordenadora: Valeska Fortes de Oliveira
valeska@ce.ufsm.br
.

"Um jeito de ser" professora de educação infantil: corpo, gênero e formação
Deborah Thomé Sayão

deborah@ced.ufsc.br
.
O estudo trata de uma pesquisa em desenvolvimento junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação - nível de Doutorado na Universidade Federal de Santa Catarina. Seu objetivo principal é compreender como algumas professoras que atuam com crianças de zero a seis anos de idade superam as marcas culturais veiculadas por um discurso masculino, cristão, branco, homossexual e de classe média tão entranhado no universo feminino que, paulatinamente, vai restringindo as possibilidades de movimento corporal das mulheres. Pesquisas baseadas, principalmente em Edwards; Gandini e Forman (1999), vêm demonstrando que são as diferentes linguagens expressas pelas crianças e, dentre elas, a corporal, que caracterizam seu universo infantil. Muitas mulheres/professoras vêm resistindo ao discurso que marca seus corpos com a restrição ao movimento, à ludicidade, à expressão e desenvolvem, em suas práticas, possibilidades de interação com as crianças que incluem as características de seu universo infantil, respeitando-o. As histórias de vida das mulheres/professoras serão elementos utilizados para compreender tal superação.

Gênero Masculino e Sexualidades no Ensino Fundamental: percepções e significações de professores
Milton Müller Rodrigues

mrodrigues@cpovo.net

Quando falamos a respeito do ensino, é relevante o fato de que são as mulheres que povoam a maioria das salas de aula do ensino fundamental. Essa realidade produziu questionamentos que inspiraram a presente proposta de pesquisa que visa compreender as relações entre docência no ensino fundamental, gênero masculino e sexualidades. Focalizo este estudo em professores que trabalham no ensino fundamental, utilizando o método de estudo de caso e para a análise e interpretação dos dados, realizarei uma análise de conteúdo em sua modalidade qualitativa.
As experiências pessoais e profissionais desses professores, bem como, as minhas próprias, buscam melhor compreender as construções a respeito do gênero masculino e das sexualidades na prática educativa do ensino fundamental na rede pública de Porto Alegre.

Representações de Professora em Textos de Alunos/as: o "cuidado" e a "vigilância"
Rosa Maria Hessel Silveira

rosamhs@zaz.com.br

Sob a inspiração de alguns estudos que ligam a docência - uma profissão feminizada - ao exercício do "cuidado" e, também, da "vigilância", a comunicação tem como objetivo discutir as representações de professora como agente desse cuidado e vigilância, em uma amostra de cem textos redigidos por alunos de 4ª série de diferentes municípios do estado do Rio Grande do Sul, por ocasião da Avaliação Externa das Escolas da Rede Pública do referido estado, em novembro de 1997. Tendo em vista que a proposta de texto focalizava o relato de uma "saída da turma com a professora", o corpus é fecundo para tal análise, desde que consideradas as condições de sua produção. Serão discutidos os significados e matizes culturais do "cuidar" e "vigiar", atentando-se para a emergência de outras dimensões da representação da mulher docente, narrada na perspectiva do aluno/a.

Imagens de Professor: gênero na docência
Valeska Fortes de Oliveira

valeska@ce.ufsm.br

A pesquisa interinstitucional "Imagens de Professor: significações do trabalho docente", desenvolvida por três grupos de pesquisa de universidades do Rio Grande do Sul, teve como objetivo investigar o imaginário social de professores envolvidos com a docência nos diferentes níveis de ensino e espaços de formação (inicial e continuada): redes de ensino (escola de ensino fundamental, universidades) e assentamentos. A investigação teve como suporte teórico metodológico a História de Vida como recurso para a coleta dos dados referentes à três categorias específicas: escolha da profissão, processos de formação e gênero. As histórias de vida coletadas através do relato oral e da autobiografia escrita explicitou os processos de escolha da profissão relacionados com as questões de gênero e com contextos culturais diversificados .



Esta página foi desenvolvida por Rita Maria Xavier Machado e Anacris de Oliveira