Tela de Vera Sabino que compõe  o painel inspirado nas paisagens da Costa da Lagoa e no cotidiano do povo ilhéu

 


Coordenadora: Nadir Zago
nzago@cfh.ufsc.br

A Mulher no Islã
Claudia Voigt Espinola

clau.espin@zipmail.com.br

O trabalho pretende esboçar um quadro panorâmico da posição da mulher nos principais países islâmicos, envolvendo: papéis na família, inserção no espaço econômico, social e político. Este quadro será avaliado em conjunto com uma leitura do Alcorão e como este é lido pelas várias linhas do islamismo. Tais reflexões serão contemporizadas com os primeiros dados da pesquisa entre os islâmicos em contexto brasileiro, especialmente de Florianópolis.

Rupturas e Permanências: os novos fluxos da população brasileira e as transformações nas relações familiares e de gênero
Gláucia de Oliveira Assis
galssis@obelix.unicamp.br

A recente emigração de brasileiros para o exterior inseriu o Brasil nos novos fluxos da população mundial. Uma das características destes fluxos, é o crescimento da participação feminina. A participação das mulheres nas migrações internacionais por muito tempo foi analisada como subordinada aos homens, entretanto, pesquisas recentes têm demonstrado que a importância das mulheres nos fluxos migratórios contemporâneos, como articuladoras de redes sociais na migração. O objetivo deste artigo é demonstrar que a migração não é resultado de uma escolha racional, mas de estratégias familiares nas quais homens e mulheres estão inseridos contribuindo para re-arranjos das relações familiares e de gênero. Desta forma pretende-se demonstrar, através de uma discussão teórica e de dados de pesquisa de campo realizada em Governador Valadares (MG), que as mulheres não apenas esperam por seus maridos ou filhos, mas participam efetivamente do processo integrando e articulando as redes de migração.

Amantes: destruidoras de lares? Considerações sobre a moralidade dos grupos populares
Heloísa Helena Salvatti Paim

hhsp@portoweb.com.br

Em um estudo etnográfico, em um bairro de periferia de Porto Alegre, investigo os significados sociais atribuídos à conjugalidade e à extraconjugalidade, associados às identidades e às relações de gênero. Ao contrário do caráter reprovador sobre as amantes presentes no senso comum, nos discursos jurídicos e acadêmicos, o convívio com mulheres casadas e amantes de homens casados revelou a integração das amantes a sua rede de parentes e vizinhos. Aqui a "legitimidade" é atingida através de negociações das virtudes femininas e um compromisso ostensivo ao valor de família (cuidado dos filhos e fidelidade). No entanto, tal integração não exclui situações de conflito nas relações entre homens e mulheres, e em especial entre mulheres que disputam a lealdade masculina. A conquista da cumplicidade do grupo de convívio é fundamental para a resolução desses conflitos.

Devolução de crianças colocadas em famílias substitutas
Márcia Cristina G. O. Frassão

mfrassao@cfh.ufsc.br

São objetos desta pesquisa o entendimento das relações vivenciadas no momento da colocação de crianças em famílias substitutas, a repetição do abandono através de múltiplas devoluções sofridas pela criança, a dinâmica da família que devolve, a maternidade e paternidade analisadas sob a ótica dos procedimentos legais. Utilizando a metodologia da pesquisa documental, este trabalho partiu da leitura de processos no Juizado da Infância e Juventude da cidade de Florianópolis, no ano de 1999. Os resultados indicaram que são vários os aspectos que predispõe à devolução: os conflitos internos das famílias substitutas, o processo de separação da criança de sua família de origem, os procedimentos para a concessão da guarda, o comportamento da criança opondo-se às expectativas da família, e as dificuldades dos profissionais no manejo técnico com famílias em conflito com a criança.

Escolarização e mobilização familiar nas camadas populares
Nadir Zago

nzago@cfh.ufsc.br

Há vários anos venho me dedicando ao estudo das famílias de meios populares e sua relação com a educação escolar. Neste encontro tenho por objetivo apresentar alguns aspectos dessa relação que são os significados e as formas de envolvimento dos pais, especialmente das mães, nas trajetórias escolares de seus filhos. O estudo, concluído em 1999, reúne dados obtidos através de entrevistas com 16 famílias, em um bairro da periferia urbana de Florianópolis. Conforme evidencia a literatura sobre as desigualdades escolares, é entre os alunos de origem popular que vamos encontram os índices mais elevados de fracasso escolar. Nosso interesse esteve voltado para essas situações mas também para os casos bem sucedidos na escola e para a dinâmica complexa entre as condições sociais e as ações de atores sociais. Contrariando a visão genérica e patologizante das famílias, o trabalho mostra ainda o erro que incorremos quando nos apoiamos nos padrões das classes médias para avaliar as práticas observadas nos meios socialmente desfavorecidos.



Esta página foi desenvolvida por Rita Maria Xavier Machado e Anacris de Oliveira