Tela de Vera Sabino que compõe  o painel inspirado nas paisagens da Costa da Lagoa e no cotidiano do povo ilhéu

 


Coordenadora: Tânia Swain
anahita@tba.com.br

:
Homoerotismo feminino: uma introdução
Juliana Perucchi
jperucchi@zipmail.com.br

A proposta de introduzir algumas anotações sobre homoerotismo feminino engendra concepções teóricas nem sempre consonantes entre si. Parece pertinente então o resgate teórico da questão e o esclarecimento de algumas premissas. Assim, este trabalho propõe algumas reflexões sobre a questão do "sexo", enquanto "categoria de percepção" de sujeitos, homens e mulheres e sobre os discursos produzidos a respeito da sexualidade; que constituem o suporte para as relações de poder a eles implícitas e, fundamentalmente, sobre os saberes produzidos a respeito da mulher e de sua posição nas relações de poder assinaladas, já que se entende que a construção de subjetividades é sempre um processo sócio-histórico, impregnado de significados

.

De que Falo se Fala?
Edmílson Antônio Dias
edmilson@cfh.ufsc.br

Este trabalho faz um recorte nos temas desenvolvidos em uma pesquisa sobre a homossexualidade feminina, através da qual o autor obteve o grau de mestre em Psicologia na UFSC. Discorre sobre os conceitos psicanalíticos de homossexualidade, perversão, castração e falo, que sofrem distorções nas leituras literais feitas por teóricos de vários campos disciplinares, inclusive por teóricas feministas.

Igualmente Transgressoras
Cíntia Carla Moreira Schwantes

cosson@ufpel.tche.br

Os romances "Duas Iguais" de Cíntia Moscovich (1998) e "Pecados Safados" de Betty Brown (1995) abrem uma nova possibilidade no conjunto dos bildungsromane femininos brasileiros. Ambos giram em torno de uma formação na qual a definição de gênero é crucial, uma vez que suas protagonistas são lésbicas, e discutem a construção identitária fora do padrão aceito de feminilidade. É sobre essa construção, e os modos como ela acontece, que versa esse trabalho

.

Encontros prazerosos: lésbicas se divertem
Rosane Maria de Godoy


Esta pesquisa é parte da dissertação de mestrado da autora e objetiva apresentar alguns espaços de encontros e lazer de mulheres lésbicas em Florianópolis. Buscando entender e discutir as redes de significados estabelecidas em tais ambientes, percebeu-se a manifestação de códigos e símbolos próprios, demarcando fronteiras que possibilitam compreender a pluralidade de vivências homossexuais. Baseada nos pressupostos do método etnográfico, a pesquisadora observou, por sugestão das próprias informantes, danceterias, bares, bailões, clubes e shows freqüentados por mulheres em busca de diversão, lazer e encontros. Temáticas como visibilidade, guetos, redes de relações, etc, tem norteado as análises, permitindo identificar diferentes modos e estilos de vivenciar o lazer e o prazer.

Mudança conceitual do termo homossexualidade para homoerotismo e alguns de seus desdobramentos teóricos nos estudos do gênero
Juliana Perucchi

jperucchi@zipmail.com.br

Este trabalho compõe um leque de reflexões que constitui as amarrações teóricas de um projeto de mestrado em Psicologia, cuja temática propõe, como objetivo geral, a compreensão das relações sociais de mulheres lésbicas em um gueto homossexual de Florianópolis. À medida que se propõe uma mudança no olhar investigativo em relação à antiga noção de homossexualidade, concebendo-a enquanto fenômeno dinâmico, histórica e socialmente construído, destituído de qualquer caráter essencialista, como parece ocorrer nas proposições teóricas que lançam mão do conceito de homoerotismo, torna-se importante discutir alguns dos desdobramentos teóricos decorrentes dessa mudança conceitual.



Esta página foi desenvolvida por Rita Maria Xavier Machado e Anacris de Oliveira