COMUNICAÇÕES LIVRES

 mesas redondas 
comunicações livres 
mostras e exposições 
inscrição 
contato
comissão organizadora 

 

 

Mídia, publicidade e consumo
Coord: Najara F. Pinheiro
Local: Sala 609 - CED
Data:9/10/2002



Alice Inês de Oliveira e Silva - aliceines@tdnet.com.br
Modernidade 'naqueles dias'...
Analisa-se, através da publicidade, como se 'vendiam' às mulheres as idéias-símbolos do pós-guerra no Brasil - modernidade, progresso, desenvolvimento - bem sintetizadas nos anúncios de absorventes, cujo discurso pretendia romper com práticas tradicionais e transformar radicalmente hábitos, sentimentos, atitudes. A revista Seleções, porta voz do American Way of Life, fortalece sua publicidade ao inseri-la entre as de outras 'maravilhas' do novo mundo, livre, moderno e democrático. A etnografia da propaganda desse produto, de 1945 a 60, permitirá a análise das múltiplas e sucessivas representações de modernidade; da imagem feminina de corpo e sexualidade. Pretende-se demonstrar que a suposta modernidade desse discurso era não só calcada, como ampliava os antigos preconceitos que dizia combater.


Dèbora Krischke Leitão - dekl@terra.com.br
"Ergue, prende, realça!": uma reflexão antropológica sobre anúncios publicitários de lingerie feminina
Pensando o sistema publicitário como instrumento importante no processo de significação e classificação dos bens de consumo, proponho no presente trabalho uma análise comparativa de anúncios publicitários de lingerie feminina veiculados na Revista Claudia desde sua criação, em 1961, até nossos dias. A partir de pesquisa em arquivos trago algumas peças publicitárias, propondo uma reflexão a respeito dos conteúdos de seus elementos imagéticos e textuais, tendo como foco as representações a cerca do feminino por eles exploradas.


Edison Gastaldo - edison@icaro.unisinos.br
A representação do espaço doméstico e papéis de gênero na publicidade
Este trabalho trata da relação entre a representação do espaço social em cenas da 'vida cotidiana' e papéis de gênero nos anúncios publicitários. Investigo as possibilidades heurísticas dos anúncios como fonte de representações sociais, propondo normas, como os papéis de gênero. Como um exemplo, analiso um anúncio que representa uma família no espaço doméstico, permitindo propor algumas conclusões: a proeminência do papel masculino sobre a família, associada a um papel feminino sexy/subserviente e um papel infantil masculino ambíguo, agressivo/obediente, definindo uma família 'exemplar' como um sistema patriarcal, colaborando na reprodução de um consenso social acerca da dominação masculina.


Maria Paula Mansur Mader - mpmader@ig.com.br
Sedução do não-verbal para vender cerveja
Este artigo visa apresentar a análise de uma peça impressa de campanha publicitária da cerveja Kaiser, considerando os aspectos da linguagem não-verbal e investigando o (ab)uso da imagem da mulher pela publicidade de cervejas. Para tanto, considera-se que a linguagem não-verbal pode ser um excelente instrumento de persuasão independentemente de sua associação com a linguagem verbal.


Maristela Mitsuko Ono - ono@avalon.sul.com.br
"Isto é coisa para 'mulheres'": a política de comunicação de produtos industrializados para a sociedade
A partir de estudos de caso realizados no setor industrial de eletrodomésticos, este artigo discute a promoção do consumo e uso de produtos industrializados, através de estratégias de comunicação de massa que exploram o estereótipo social do "isto é coisa para 'mulheres'". Salienta a necessidade de uma maior ênfase, na gestão do feminismo como política, na busca da promoção do desenvolvimento de estratégias de comunicação de produtos industrializados, que acompanhem a dinâmica das transformações sociais e contribuam para o equilíbrio das relações de gênero, que depende, dentre outros fatores, da participação de pessoas de diferentes gêneros na execução das atividades do cotidiano na sociedade.


Tatiana de Trotta - trotta@ppgte.cefetpr.br
A questão de gênero nas propagandas de televisão
O objetivo deste trabalho está em observar as representações contidas nas propagandas da TV tendo como categoria de análise o gênero. Fala-se especificamente de quatro propagandas, duas veiculadas para o dia das mães e duas veiculadas para o dia dos pais no ano de 2001. É uma análise de comparação exploratória entre os contextos que as propagandas apresentam por suas representações, isto é, por suas imagens e seus textos. A investigação é feita através da identificação de quais padrões de gênero social são representados por estas propagandas, e, além dos padrões de ser masculino e de ser feminino, também, os de maternidade e os de paternidade. Este texto está apoiado em referências bibliografias que abordam a questão de gênero em um enfoque social e que explicam as propagandas como representações simbólicas da sociedade.


Najara Ferrari Pinheiro - najarafp@terra.com.br
Magazines femininos televisivos e shoppings centers: um continuum entre o prazer e o consumo
Os textos midiáticos têm sido foco de interesse de diferentes áreas, dentre elas pode-se destacar a das ciências da comunicação, a da análise crítica do discurso e também asque envolvem estudos culturais e estudos de gêneros (textuais e sociais). Com o intuito de colaborar para a pesquisa no campo da comunicação, o presente trabalho apresenta uma discussão sobre o discurso dos magazines femininos veiculados pelas redes de televisão aberta, partindo do pressuposto de que as produções na mídia contemporânea são constituídas na tensão entre informação, publicidade e entretenimento, atravessadas por práticas socioculturais colonizadas pelo discurso publicitário. Essa investigação procura focalizar os magazines como uma das produções televisivas organizadas prioritariamente pela lógica do mercado (consumo), tomando como objeto de análise os programas MAIS VOCÊ (Rede Globo), NOTE & ANOTE (Rede Record) e DIA DIA COM OLGA BONGIOVANNI (Rede Bandeirantes). Objetiva investigar as evidências textuais que marcam a interconexão entre os magazines e os shoppings, considerando nessa relação a estrutura textual dos programas e a organização dos shoppings como estratégias de persuasão que vinculam prazer e consumo.