COMUNICAÇÕES LIVRES

 mesas redondas 
comunicações livres 
mostras e exposições 
inscrição 
contato
comissão organizadora 

 

 

Memórias de gênero
Coord: Janine Gomes da Silva
Local:Sala 312 - CCE
Data:9/10/2002



Cléria Bittar Bueno - cleriabueno@uol.com.br
A mulher e a culpa: relações entre trabalho e maternidade - estudo realizado com as operárias do setor coureiro - calçadista de Franca - SP
Pesquisa realizada nas indústrias de calçados e similares em Franca- S.P, sobre o sentimento de culpa que se apresenta diante da tentativa de conciliação do tradicional papel de mãe, com o de trabalhadora. A culpa, ao lado de outras questões problemáticas, pode ampliar o sofrimento psíquico destas mulheres, nas condições do trabalho. Através dos conceitos principais da psicodinâmica do trabalho, (Dejours) a pesquisa propõe compreender os fenômenos do sofrimento psíquico nas organizações, e de como estes podem por um lado favorecer o aparecimento de sintomas psíquicos, sendo a culpa, um agravante dos estados emocionais das mães operárias, afetando suas vidas, suas relações pessoais e também seus trabalhos. Apresenta o lazer e os trabalhos terapêuticos em grupo, como o resgate da subjetividade das trabalhadoras.


Karla Leonora Dahse Nunes - karla@intercorp.com.br
Antonieta de Barros - uma mulher na política catarinense da década de 30
Antonieta de Barros foi uma mulher negra, de origem social humilde que, não obstante todas as contrariedades de um tempo altamente excludente de nossa história (década de trinta) onde politicamente, via de regra, apenas nomes ligados a oligarquias conseguiam sucesso eleitoral,projetou-se na política catarinense militando ao lado de nomes como Nereu Ramos, então governador do estado. Como? É o que trataremos de abordar em nossa comunicação.


Raquel de Andrade Barreto - raquel_andrade123@hotmail.com
A memória de uma - comportada - bolchevique ou lembranças de uma mulher emancipada? O impasse entre/de duas memórias


Rosimeire Aparecida Angelini Castro
Ecos da memória: uma contribuição à vida cotidiana de mulheres na fronteira do Paraná (1930-1975)
Esta comunicação pretende apresentar algumas reflexões sobre a tese de doutorado em andamento na PUC/SP, intitulada Ecos da memória: uma contribuição à vida cotidiana de mulheres no Paraná (1930-1975).O corpo documental são depoimentos de mulheres que chegaram na fronteira do norte do Paraná até 1950. Elas vivenciaram a precariedade, o isolamento e o improviso. O cotidiano dos moradores, sobretudo das mulheres, a quem eram destinados trabalhos domésticos árduos e infindáveis, teceram teias de sociabilidade e solidariedade. Estas táticas, resultado das vivências coletivas das mulheres, atenuaram, segundo suas memórias, a vida rudimentar e difícil da fronteira. Mas, além disto, são estas memórias que permitem ao historiador integrá as mulheres ao fenômeno social de ocupação da fronteira no início do séulo XX.


Janine Gomes da Silva - janinegs@uol.com.br
Memórias de dores e de festas: histórias de Joinville através da memória feminina
A comunicação tem como objetivo apresentar minha pesquisa de Doutorado em História que busca compreender, especialmente, através da memória feminina, dois momentos significativos da história da cidade de Joinville/SC: primeiro, o período da Campanha de Nacionalização, com suas dores e silêncios; e, segundo, as comemorações do Centenário da cidade em 1951, visando perceber como este "evento" (carregado de inúmeros significados), foi positivado de tal forma a funcionar como uma "apoteose do esquecimento". Um esquecimento parcial que marcou várias histórias e que pode ser problematizado através da memória feminina.