COMUNICAÇÕES LIVRES

 mesas redondas 
comunicações livres 
mostras e exposições 
inscrição 
contato
comissão organizadora 

 

 

História e gênero: múltiplas possibilidades
Coord: Adriana Dantas Reis Alves
Local:Sala 206 - CCE A
Data:9/10/2002



Cristiane Lima Santos -
cricalima@bol.com.br
A mulher e o cotidiano do amor: sexualidade, matrimônio e organização familiar em Feira de Santana 1940-1960
Esse trabalho trata do relacionamento entre as alterações na estrutura social e as mudanças do papel da família na sociedade feirense . É uma proposta que pretende enfocar todo o conjunto de normas , valores e fatos construídos historicamente ,com enfoque a cidade de Feira de Santana entre as décadas de 40 e 60.Dessa investigação constata-se novas formas de relações sociais , que fazem evaporar uma reflexão acerca do cotidiano amoroso .Pretende-se elaborar uma discussão em torno das relações entre os sexos na perspectiva sócio- cultural e os seus significados específicos nas práticas cotidianas , na elaboração do discurso , bem como no processo de construção e socialização de identidades e estratégias de sobrevivência .Neste sentido focaliza –se temas como: amor, desejo sexual , casamento e traição , buscando perceber relações de poder ,lugares e modos de resistência feminina.


Márcia Suely Oliveira do Nascimento
Representações femininas em Feira de Santana: o processo de normatização das alunas do Asilo de Nossa Senhora de Lourdes em 1879-1930


Maria Aparecida Prazeres Sanches
A família por limite. Relações de trabalho e vida familiar na Bahia republicana


Maria Lívia Pereira dos Santos - alchoa@yahoo.com.br
Questão de gênero: construções de masculino e construções de feminino na Feira de Santana (1930-1950)
Objetiva investigar construções de modelos de comportamento que nortearam a vida de homens e mulheres. Parte do pressuposto de que relações de gênero são relações de poderes construídas e subordinadas a singularidades histórico-sociais e culturalmente atribuídas. Busca resgatar elementos que possibilitem reconhecer rupturas e permanências sociais, identificando o significado de ser homem e ser mulher em Feira de Santana no início do século. Cria possibilidades de interpretação histórica ao rastrear construções humanas como objetos de análise. As fontes são jornais da época e bibliografias ligadas ao tema.


Neuza Guareschi - nmguares@pucrs.br
A psicologia social e os estudos de gênero
Essa pesquisa faz parte de um projeto maior e visa compreender a Produção de Sentidos de homens considerados agressores - em processo de julgamento - acerca da violência e, num segundo momento, problematizar intervenções, utilizando discussões acerca das Políticas de Identidade, Estudos Culturais, Políticas Públicas e Estudos Feministas. Neste trabalho, pretende-se problematizar questões referentes às Políticas Públicas e intervenções, no que diz respeito à inferência de um estatuto identitário agressor, pois coloca a agressão como algo do indivíduo; ao modo como os homens são chamados para participação de grupos, em um fórum, logo após a audiência, o que associa a intervenção psicológica à jurídica; e o caráter anônimo, que vem contra um discurso feminista que busca o reconhecimento e denúncia do agressor.


Adriana Dantas Reis Alves - adrihis@yahoo.com.br
Bailes, salões, leituras e teatros: socialização da elite feminina na Bahia oitocentista
No Brasil Império, forjou-se um projeto para a fundação de uma civilização nos trópicos, que se consubstanciou no processo de urbanização e modernização, principalmente no Rio de Janeiro. Por influência desse processo as mulheres da elite transitaram de uma cultura do desalinho, presente nas narrativas de viajantes estrangeiros que passa ram pela Bahia( fins do século XVIII e início do XIX) para um novo aprendizado: as noções de civilidade, polidez e boas maneiras no comportamento, seguindo o padrão europeu. Durante a segunda metade do século XIX, médicos, manuais de etiquetas, tratados de educação e periódicos, difundiram, de forma sistemática, critérios de distinção social definidores de uma nova conduta para a elite feminina nos espaços lúdicos ocupados por elas, como: salões, teatros e bailes. Pretendemos demonstrar de que forma a Cidade de Salvador tornou-se, nesse período, um centro cultural difusor dessas idéias.