COMUNICAÇÕES LIVRES

 mesas redondas 
comunicações livres 
mostras e exposições 
inscrição 
contato
comissão organizadora 

 

 

Gênero e família
Coord: Raquel Wiggers
Local:Auditório do NDI
Data: 10/10/2002



Cristina Maria Teixeira Stevens
- cstevens@unb.br
M-othering. A maternidade na obra de Michelle Roberts
Esta pesquisa - ainda em fase inicial - objetiva estudar o fato/mito da maternidade nas suas dimensões mitológica, filosófica e psicanalítica, e seus reflexos na literatura inglesa. Tomando como hipótese a relativa invisibilidade - na literatura - dos processos de gestação, parto e maternação, e convencida da importância de desenvolvermos uma poética do nascimento, tentaremos identificar - na ficção inglesa contemporânea - princípios e motivações que regulam a apresentação, deformação e silenciamento da história da reprodução; buscamos também estudar novas narrativas sobre a criação que resgatam o papel da mulher neste processo. Nesta fase inicial de mapeamento e identificação de material, selecionamos para apresentação no presente simpósio os romances The Book of Mrs. Noah (1997) FairExchange (1999), de Michele Roberts.


Fabricia Piccoli - fabricia.piccoli@bol.com.br
Do "sim" ao "não": práticas e representações nos processos de desquite - Florianópolis 1965/1975
O assunto "separação" conjugal parece estar em "moda" desde fins do século passado. Procurando perceber a possível influência dos aspectos sócio-político e econômicos dos anos 60 e 70, tais como o movimento feminista, estudantil, hippie, entre outros, no cotidiano familiar dos casais que buscaram no Fórum da Comarca de Florianópolis- Santa Caratina, entre 1965 e 1975, um instrumento legal para desquitarem-se. Buscamos perceber através desta prática, uma vez motivados pelos por adultério, tentativa de morte, injúria ou sevícia grave e/ou abandono de lar - as representações de gênero, família, casamento, maternidade, amor, traição, entre outras subjetividades, que permeriam as tensões dos depoimentos presentes nos autos. As transformações sociais e urbanas da cidade também são percebidas nos depoimentos dos autos, uma vez que motivam alguns desquites. Em suma, tentar perceber, num movimento diacrônico, tanto as representações que os cônjuges possuiam deles mesmos, do (a) outro(a), dos filhos, das relações de parentesco, do casamento, do amor, da família,como as transformações urbanas, entre 1965 e 1975, através da "polifonia" dos discuros jurídicos.


Lôidy P. de Lima - ll_lima@yahoo.com.br
Líllyan P. de Lima
Elisabeth C. Medeiros
Aldenor Gomes

Responsabilidade da mãe e responsabilidade do pai: construção e negociação de papéis na unidade de produção
A lógica interna das relações de gênero na agricultura familiar se constrói e se negocia no interior da unidade de produção, com a interferência de elementos externos em um continuo processo de construção/confronto com os costumes instituídos e se expressa nas regras de convivência e nas modalidades que a vida familiar adotada. Com o objetivo de observar em que sentido segue essa interferência e suas conseqüências procuramos investigar a concessão de um benefício institucional, enquanto elemento externo que se introduz na realidade da agricultura. Pois se, por um lado, esse benefício seria capaz de alterar aquela lógica em sentidos diversos, por outro, poderia expressar, apenas, uma ordem de papeis instituída que determina a esfera de administração/ responsabilidade familiar de cada sexo.


Maria das Graças Lucena de Medeiros - graça_medeiros@bol.com.br
" Gênero e família": O que há de "novo" na configuração espacial, política e social
A partir do Título "GÊNERO E FAMÍLIA: O que há de "NOVO" na configuração espacial, política e social, discutiremos: a participação do INDIVIDUO em uma estrutura societária, onde o público/privado/individual tomou uma nova forma espacial dentro da sociedade global; as relações sociais entre os membros da família e fora dela, , impulsionados por algumas mudanças que contribuiram para o surgimento dos "NOVOS ARRANJOS DA FAMÍLIA BRASILEIRA ATUAL", dentre estas: o acesso às novas tecnologias que é fundamental no processo de reproduçãoda família; as alterações no campo dos direitos e responsabilidades (papéis) e no que isto implica; e a igualdade de Gênero e de oportunidades que tambem ocupa um papel decisivo nesses novos modelos.


Vânia Nara Pereira Vasconcelos - vanvasconcelos@zipmail.com.br
Evas e Marias em Serrolândia: representações da mulher em processos judiciais dos anos sessenta
Este estudo se propõe a discutir visões sobre a mulher numa cidade do interior da Bahia. Analisa a importância do casamento na sociedade serrolandense para a determinação dos papéis feminino e masculino. As obrigações masculinas são associadas ao público e as femininas ao privado. A partir da análise de processos judiciais de Serrolândia foi possível perceber um discurso misógino, onde aparece a dicotomia Eva / Maria. A desqualificação das mulheres envolvidas nos processos pressupõe a defesa de uma modelo de mulher, associado à Santa, imposto às mulheres casadas. Ao se casar, a mulher adquire um novo papel social, sendo esperado dela a aceitação dos deveres de esposa e mãe, pura e resignada, associada à imagem de Maria. As mulheres que fugiam desse padrão eram desmoralizadas, associadas à prostituta.


Raquel Wiggers - raqwig@unicamp.br
Briga de família: um estudo de caso que envolve relações de parentesco e gênero
Ao analisar as relações de parentesco na geração e resolução de conflitos domésticos em uma comunidade de Florianópolis, entrei em contato com uma briga de casal que envolveu o embate físico diversos membros de uma mesma família. Com base nesta situação de conflito aberto faço uma reflexão sobre as relações de parentesco que são ativadas nos momentos de crise doméstica, e analiso quais os atores que são chamados para resolver o conflito. No caso aqui apresentado apenas as mulheres puderam intervir, a briga do casal era um assunto das mulheres da família. Questões atuais de parentesco e de gênero podem ser amarradas através da análise deste caso.