fazendo genero 8
 
 
 
 
autores cronograma cultura
inscricoes posters hospedagem
programacao simposio tematico transporte
mini cursos lancamentos contato
 
 
     
 
header apresentacao

Brasil e Argentina: ditadura, gênero e repressão
Ministrante: Maria Cristina Oliveira Athayde (UFSC); Deusa Maria Sousa, (UFSC); Mariana Joffily (USP).

Proposta: As ditaduras militares no Brasil (1964-1985) e na Argentina (1976-1983) deixaram um amplo saldo de  violação dos direitos humanos. A proposta do curso é discutir, a partir do estudo de caso de três militantes políticas brasileiras e de três argentinas que sofreram a violência do Estado, como se articulam em seus discursos questões como gênero e militância política, gênero e família, gênero e repressão.

Organograma de Execução: 1. A ditadura militar no Brasil (1964-1985) e na Argentina (1976-1983)
1.1 Cronologia;
1.2. Estrutura do aparelho repressivo;
1.3. Violação dos direitos humanos (mort@s, desaparecid@s e torturad@s);

2. Estudo de caso
1.1. Gênero e militância;
1.2. Gênero e família;
1.3. Gênero e repressão política.

Metodologia: Aula expositiva com power point. Discussão em grupo de textos e documentos.
Textos disponibilizados:
 LOZANO, Fernanda Gil. Mujer y dictadura. In: WOLFF, Cristina Scheibe; FÁVERI, Marlene de; RAMOS, Tânia Regina Oliveira. Leituras em rede: gênero e preconceito. Florianópolis: Mulheres, 2007, p. 77-93.
WOLFF, Cristina Scheibe. Feminismo e configurações de gênero na guerrilha: perspectivas comparativas no Cone Sul (1968-1985). In: Revista Brasileira de História, vol. 27, nº 55, São Paulo, dez. 2007.

Referências Bibliográficas:
AQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Brasil: nunca mais. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.
ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Perfil dos atingidos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.
FAUSTO, Boris; DEVOTO, Fernando J. Brasil e Argentina: um ensaio de história comparada. São Paulo: Editora 34, 2004.
COMISIÓN NACIONAL SOBRE LA DESAPARICIÓN DE PERSONAS (CONADEP). Nunca más: informe de la Comisión Nacional sobre la desaparición de personas. 8ª edição, Buenos Aires: Eudeba, 2007.
COGGIOLA, Osvaldo. Governos militares na América Latina. São Paulo: Contexto, 2001.
FERREIRA, Elisabeth Fernandes Xavier. Mulheres, Militância e Memória. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.
JOFFILY, Olívia Rangel. Esperança equilibrista. Resistência feminina à ditadura militar no Brasil (1964-1985). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Pós-Graduação em Ciências Sociais – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005
LOZANO, Fernanda Gil. Mujer y dictadura. In: WOLFF, Cristina Scheibe; FÁVERI, Marlene de; RAMOS, Tânia Regina Oliveira. Leituras em rede: gênero e preconceito. Florianópolis: Mulheres, 2007, p. 77-93.
NAVARRO, Marcos; PALERMO, Vicente. A ditadura militar argentina 1976-1983: do golpe de estado à restauração democrática. São Paulo: Edusp, 2007.
RODRÍGUEZ, Matilde . As mulheres Guerrilheiras do Brasil e da Argentina (Década de 60 a 70) - Uma análise comparativa da literatura . In: Estudos  de História , v.8,  nº 1 – 2001, Faculdade de História, Direito e Serviço Social -UNESP - Franca, São Paulo.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e Realidade. Porto Alegre, 16 (2): 5-22, Jul/dez. l990.
WOLFF, Cristina Scheibe. Feminismo e configurações de gênero na guerrilha: perspectivas comparativas no Cone Sul (1968-1985). In: Revista Brasileira de História, vol. 27, nº 55, São Paulo, dez. 2007. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882007000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em mai. 2008.